Comi a Mãe do meu Amigo (Conto Erótico com Fotos)

Conto erótico: sexo com a mãe do amigo

Quero enviar meu conto erótico pra falar de quando fiz sexo com a mãe do meu amigo, uma coroa perfeita e gostosa demais que deu a buceta e o cú pra mim na sua cama enquanto meu amigo não estava.

Sim, eu comi a mãe do meu amigo, fiz sexo bem gostoso com ela enquanto o filho estava na faculdade. E nunca vou esquecer isso!

Tenho 23 anos e meu amigo tem 21. A mãe dele, a Carla tem 48 anos… uma mulher loira e com um corpão de academia, a coroa se cuida e está com tudo em cima.

Temos amizade desde a adolescência e sempre frequentei a casa deles. A mãe dele se separou do pai e vivem só os dois juntos. E desde novo sempre olhei para a bunda da mãe do meu amigo, principalmente por ela usar calças apertadas.

Calça apertada - bunda

Já bati muita punheta pensando naquela bunda, imaginando meter naquela coroa gostosa e um dia isso realmente aconteceu. E foi incrível.

Tudo começou em um churrasco de família na casa do meu amigo. Eu, por ser o amigo mais chegado na época estava lá junto a ele, sua mãe e alguns parentes. Seria um churrasco e tarde na piscina.

O banheiro de fora estava ocupado então fui até o banheiro dentro da casa. Passei pelo corredor e em frente ao quarto da Dona Carla, que estava com um pouco aberta. Ouvi um barulho lá dentro e pense que era a cachorrinha deles.

Abri a porta esperando ver a cachorrinha para tirá-la do quarto, e o que vi foi a Dona Carla totalmente nua, colocando seu biquini. Fiquei hipnotizado ao ver aqueles seios grandes e caídos, aquele corpo lindo, aquela buceta depilada…

Ela ficou sem reação também e apenas disse: “Jean? O que foi?”. Pedi desculpas e saí.

O constrangimento foi enorme durante aquela tarde. Eu olhava pra ela com muita vergonha, e o estranho é que ela também me olhava.

Em um certo momento, quando todos saíram da piscina, fui nadar sozinho. Pra minha surpresa logo a Dona Carla pulou também e começou a brincar comigo, jogando água em mim.

Imediatamente ela chegou perto de mim e perguntou no meu ouvido se eu gostei do que vi. Em seguida colocou a mão no meu pau dizendo “acho que não gostou, porque está mole, hein”. E saiu dando risada.

Como ela era muito brincalhona, fiquei travado, sem reação e tentando entender se era alguma brincadeira. E assim foi aquela tarde.

Passaram 2 dias, meu amigo me ligou pedindo para passar na casa dele e pegar seu livro que ele tinha esquecido em casa para levar até onde iríamos. Ele disse que já tinha avisado a mãe dele que eu passaria lá.

Ok, fui até lá, chamei a Dona Carla. Ela estava como sempre em vestida, mas com um detalhe… dava pra ver que estava sem sutiã por baixo da blusa. Seu peito marcado e seus mamilos marcando a blusa… não tinha como não ver.

Blusa marcando mamilos

Ela sorria, me deu o livro e me disse: “Jean, eu preciso conversar com você, tá. Sozinho e não fala pro meu filho, pois é um segredo. Vem aqui amanhã na hora da faculdade dele.”

Fiquei preocupado e ao mesmo tempo excitado. E se não foi só uma brincadeira?

Depois do horário que o filho foi pra faculdade, fui lá na Dona Carla sem demora. Ela estava com um vestido e de chinelos, me chamou pra sentar na sala. Me deu uma cerveja, dizendo pra eu ficar mais à vontade porque eu parecia tenso.

“Relaxa, menino. Senão vou ter que subir em cima de você pra você relaxar, hein”.

E ela continuou: “Jean, eu sei que você fica olhando pra mim desde que você era mais novo. Pego você sempre olhando pra minha bunda”. E ela ria muito!

“E você me viu pelada, né. Seu menino safado. Você gostou?” Eu disse que sim, que ela era uma mulher muito bonita e por isso olhei, mas pedi desculpas.

“Não aceito suas desculpas. Você me viu pelada! Agora você vai ter que retribuir senão vou contar para meu filho, hein?”.

Como assim, Dona Carla? Ela falou então: “Quero te ver pelado também, lá no meu quarto. Você me viu, não foi? Quero te ver também. Vamos ficar pelados juntos”.

Meu pau ficou duro na hora, e ela percebeu. Olhou para o volume e ficou acariciando meu pau pela bermuda, sempre sorrindo. “Agora sim vi que você gostou, Jean. Vem me mostrar”.

Me levantei e ela foi me puxando segurando meu pau, me puxando para seu quarto.

“Jean, tô cheia de tesão e louca pra meter com um moleque como você. Você quer me comer, safado? Eu sei que você quer”. Eu balancei a cabeça que sim.

Ela começou a me beijar e me agarrar. Sem pensar em nada, comecei a apalpar a bunda dela com força. Tirei a camiseta e a bermuda, fiquei só de cueca. Ela com aquele sorriso safado me pediu pra deitar na cama dela.

Dona Carla pulou em cima de mim sempre rindo e dando gargalhadas. “Hoje você vai ser chupado por uma coroa, Jean. Quero chupar seu pinto e depois você vai gozar dentro da coroa aqui.”

Ela tirou minha cueca com força, até rasgou kkkk deixando meu pau bem duro pra fora. Começou a me punhetar e lamber a cabeça do meu pau, sempre sorrindo.

“Você tinha esse negócio grandão aqui na cueca e nunca deu pra mim, Jean? Agora eu quero”.

Fazendo sexo oral

Ela mamava gostoso, com vontade… que maravilha. Aquela boca quentinha da Dona Carla me mamando. Eu gemia muito e acabei gozando na boca dela.

Se ela gostou? Ela engoliu tudo. Se levantou, pegou a cerveja e bebeu dizendo “pra ajudar a engolir sua porra”, e deu risada.

Ela se deitou comigo, nos abraçamos e nos beijamos e falei pra ela tirar o vestido. Ela só levantou a parte de baixo, mostrando que estava sem calcinha e com a buceta depilada.

Sem pensar, minha boca já estava no meio das pernas dela, minha língua dentro daquela buceta saborosa e linda demais. Ela estava muito molhada a ponto de deixar meu rosto todo molhado.

Lambi gostoso aquele grelhinho dela, chupava toda aquela buceta deliciosa como se quisesse matar a vontade que segurei por anos. Queria a buceta da mãe do meu amigo e hoje ela era minha!

Fazendo sexo oral nela

Dona Carla estava ali, sentada na cama com as pernas abertas e tomando sua Heinekken, e eu ali com a boca na buceta dela. Ela gemia, pedia pra eu não parar.

A essa altura meu pau estava bem duro novamente. Ela se virou e ficou de quatro pra mim, empinando a bunda de um jeito que nunca vou esquecer. Aquela pepeka bem aberta me convidando, e aquela vista daquele cú lindo… “Vem, moleque mete gostoso que quero gozar”.

Segurei firme o quadril dela e comecei a entrar naquela bucetona da Dona Carla, bem devagar. Ela gemia muito. Que maravilha, eu estava vivendo um sonho. A Dona Carla, a coroa gata da rua que todos os homens olhavam, a mãe do meu amigo estava transando comigo.

Meti gostoso e ela gemia alto. Pediu pra ligar a TV para disfarçar o barulho e continuamos. Gozei muito metendo na Dona Carla de quatro.


Nos deitamos abraçados e ficamos nos beijando muito. Depois que fiquei de pinto duro de novo, ela montou em cima de mim e metemos novamente, dessa vez com ela sentada por cima de mim.

Eu podia sentir meu pau todo dentro da Dona Carla, aquela bucetona bem quente e molhada. Ela cavalgava, se mexia e engolia meu pau com sua buceta. Foi maravilhoso. Gozamos novamente.

Ela me beijou e disse que iria tomar banho e que eu poderia tomar banho no outro banheiro. Já vestida, ela me agradeceu muito por ter ajudado ela a se aliviar e que queria mais vezes.

E outras vezes aconteceram, enquanto meu amigo estava na faculdade, a Dona Carla me mandava mensagem me chamando.

Em uma dessas vezes, fui ao banheiro do quarto dela e quando saí, ela estava de quatro em cima da cama, abrindo o cú com as mãos e dizendo “hoje quero dar o cú pra você, Jean”.

Mostrando o cú

Sem pensar em mais nada, engatei naquela coroa, segurei com força e fui metendo naquele cuzão aberto, bem devagar.

Não acredito até hoje que comi aquela bunda que eu vejo desde os 15 anos. Que cuzinho delicioso! Meu pau estava muito duro e gozei gostoso metendo na bunda da Dona Carla.

Essas visitas aconteceram várias vezes e meu amigo nunca descobriu. Saíamos juntos, pegávamos meninas nas baladas… e às vezes eu ia escondido na casa dele para comer a mãe dele.

Hoje perdi contato com meu amigo, que se mudou pra longe. Namorei algumas vezes mas nenhuma delas fodia tão gostoso quanto a Dona Carla.

E a Dona Carla? Hoje já é uma cinquentona, às vezes vejo ela e nos cumprimentamos. Ainda está muito bem e se casou novamente. Sempre que a vejo fico me lembrando daqueles dias deliciosos.

Conto erótico enviado por JPS.

Que nota você dá pra esse artigo:

Média: 4.6 / 5. Votos: 41

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

2 comentários

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *